Terça-feira - 
30/05/2023
ASSESSORIA JURÍDICA CRIMINAL E CÍVEL

“Conversas no Museu” debate violência contra a mulher

O desembargador Wagner Cinelli, a psicóloga Maria Augusta Fischer e a juíza Adriana Ramos de Mello debatem violência doméstica no "Conversas no Museu"   O Museu da Justiça do Rio reuniu, na tarde desta terça-feira (28/03), um time de convidados habilitados para debater violência doméstica no programa “Conversas no Museu - o papel do Direito na defesa das Minorias sociais”. O evento, que tem como proposta promover um espaço de diálogo, aproximação e conscientização, abordou temas como ciclo da violência, feminicídio e a Lei Maria da Penha.   Os convidados foram o presidente do Comitê de Promoção da Igualdade de Gênero (Cogen) do Tribunal de Justiça do Rio, desembargador Wagner Cinelli; a coordenadora da Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar (Coem), juíza Adriana Ramos de Mello; e a psicóloga Maria Augusta Fischer. Maria Augusta, que também é coordenadora do grupo de reflexão com mulheres em situação de violência no Ciam Marcia Lyra, atuou como mediadora do debate. Na oportunidade, ela contou como surgiu o projeto “Conversas no Museu”, em plena pandemia. “O ‘Conversas’ surgiu em 2020, com o objetivo de se falar sobre a violência doméstica. Devido à pandemia, inicialmente foi realizado de maneira virtual. Foi uma experiência rica para todos que participaram. Fico feliz pelo Museu dar continuidade ao projeto. É importante levar informação, pois muitas mulheres não têm conhecimento sobre as possibilidades de busca de ajuda. A violência anula, aniquila. É preciso resgatar o lugar de fala dessa mulher”, considerou. A juíza Adriana Ramos de Mello, também juíza titular do I Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, falou sobre as dificuldades que a vítima da agressão encontra ao procurar as instituições. “Para elas, nada é fácil. O acesso até a Justiça é um caminho de percalços. Entrar em uma delegacia e contar a violência para o inspetor é difícil. As mulheres sofrem preconceitos, desconfianças. Não raras as vezes, as mulheres relatam que sofreram violência institucional, que vem daqueles que deveriam acolhê-las e protegê-las. Muitas vezes elas são desencorajadas a denunciar. Temos que garantir a essas mulheres a igualdade de gênero e o direito fundamental de acesso à Justiça. Quando eu nego à mulher o acesso à Justiça, eu nego a dignidade”, disse. O desembargador Wagner Cinelli também participou do debate. Ele, que está lançando o livro ‘Igualdade e Progresso – Precisamos falar de violência de gênero e empoderamento feminino’, leu um poema inédito, de sua autoria, que relata o pedido de socorro de uma mulher agredida pelo companheiro. “A violência doméstica é um problema da humanidade. Fiquei triste ao ler que, de acordo com a ONU, a paridade de gêneros levará 300 anos para ocorrer. Quero que isso seja um alerta para repensarmos e ganharmos mais pessoas nessa luta”, destacou.  Ao final, os debatedores responderam dúvidas da plateia. O evento fez parte da programação do Museu da Justiça em homenagem ao Mês da Mulher. Na quinta-feira, 30/03, a pesquisadora e escritora Neila Oliveira ministrará a palestra “Ellen G. White- mulher, educadora historiadora e pensadora pioneira”. MG/FS
29/03/2023 (00:00)
Visitas no site:  657096
© 2023 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.